Seja bem vindo!

●๋•__ Grandes realizações tiveram início com apenas um sonho e era que um dia este sonho se tornaria realidade. Então, vá em frente e acredite! Ouse sonhar!__ °.•

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Deus abençoe a todos vocês queridos leitores

Oi gente!
Em 2015 voltaremos com mais Devocionais direto do coração de DEUS para as nossas vidas...
Jesus nos abençoe!
Fiquem com o Pai, o Filho e o Espírito Santo...
Até 2015!!!



by:marcelosafra

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

#5 Retrospectiva - 2014

Oi gente!
Quero louvar e agradecer ao nosso DEUS por este ano de 2014 que foi um ano de batalhas e conquistas, pois viver na presença do Senhor não é um mar de rosas. Mas sim, como diz a própria Palavra que, o reino de DEUS deve ser tomado a força. Com luta, pois no inimigo tenta incansavelmente todos os dias nos destruir, mas fiele é DEUS que guerreia as nossas guerras. Aleluia!
Quero agradecer a você, querido leitor, que esteve conosco todo esse anos compartilhando dos devocionais neste Blog. Que o Senhor continue abençoando sua vida rica e abundantemente e que no próximo ano você viva todos os planos, sonhos e ralizações em DEUS para a sua vida.
Desde já muito obrigado e continue conosco.
Jesus te abençoe, amém!
Retrospectiva 2014.
Leiam...

Quem me oferece sua gratidão como sacrifício honra-me, e eu mostrarei a salvação de Deus ao que anda nos meus caminhos”.
Salmos 50:23

Vivemos dias difíceis. Há tanto para fazer, tantos compromissos , tantas contas a pagar… O dia parece curto demais e quando chega a hora de descansar, esgotados, já começamos a pensar no que temos que fazer amanhã.
Em meio a tudo isso, é comum que a gente esqueça de agradecer a Deus. Agradecer por tudo o que conseguimos fazer hoje e também por aquilo que não conseguimos fazer. Agradecer não só por tudo o que deu certo, mas também por aquilo que fugiu do nosso controle… Agradecer por tantos livramentos, pela saúde, pela vida…
A Palavra fala: “Em tudo dai graças”.
E tudo gente, é tudo mesmo!!
“Dêem graças em todas as circunstâncias, pois esta é a vontade de Deus para vocês em Cristo Jesus”. ( I Tessaloicenses 5:18)
A gratidão é o estilo de vida de quem confia no Pai de amor e sabe, que seus planos são sempre melhores que os nossos.

A gratidão não mora num coração mimado que exige coisas de Deus, mas num coração que sabe que a vontade dele é soberana.
A gratidão, faz parte da rotina daqueles que sabem que não merecem muita coisa, mas que pela misericórdia de Deus, são abençoados.
A gratidão permeia os corações quebrantados e humildes. Ela vive no meio daqueles que sabem que por mais que façam, nunca poderão entender ou mensurar o amor e a bondade de Deus!
A gratidão é imensa, na vida daqueles que entenderam e receberam a graça de Deus. Um presente impagável, para alguém miserável… Um passaporte para o céu para alguém que não chegaria nem perto de ver a glória de Deus!
Ah, a graça !!! Como podemos reclamar da vida, achar que não somos abençoados se Deus, juntamente com seu Filho, já nos deu todas as coisas? Agradeça! Busque ao Senhor nesse dia e entre na sua presença com ações de graça. Pare um pouco de olhar só para aquilo que você não tem e agradeça por tudo o que Deus já te deu.
“Bendiga o Senhor a minha alma! Não esqueça nenhuma de suas bênçãos”. (Salmos 103:2)
Um coração grato, atrai o favor de Deus!

by:marcelosafra

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

#4 Retrospectiva - 2014

Oi gente!
Porque Deus procura VERDADEIROS adoradores e não apenas adoração.
Restrospectiva 2014.
Leiam...

“Chamou o Senhor a Moisés e, da tenda da congregação, lhe disse: Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Quando algum de vós trouxer oferta ao Senhor, trareis a vossa oferta de gado, de rebanho ou de gado miúdo”
Levítico 1:1-2

No início do livro de Levítico, diversas vezes aparece a palavra hebraica קָרְבָּ֖ן (qorban). Qorban significa “oferta”, “sacrifício”. No entanto, compartilhando da mesma raiz, também pode ser um termo genérico para tudo apresentado ao Senhor quando alguém se aproxima (קָרַב – qarav) do Seu santuário.
Segundo Buber, esse termo pode ser identificado como de relação. Ele implica na existência de duas pessoas. Em particular, duas pessoas dentre as quais uma tenta diminuir a distância da outra se aproximando. Qorban trata de aproximação.
Diferentemente da noção de grande parte das religiões do Antigo Oriente Médio (AOM) em que, num movimento de baixo para cima, tenta-se atingir a esfera divina e conseguir o favor dos deuses, a Bíblia apresenta um DEUS que toma a iniciativa e se aproxima de Sua criatura; através do sacrifício.
Em Jeremias 30 o Senhor promete trazer o povo de Israel do cativeiro assegurando restaurar sua saúde, curar suas chagas, reedificar a cidade e fazer com que o palácio fosse habitado como antes (cf. vv. 17-18). No versículo 21 deste capítulo, é dito: “O seu príncipe procederá deles, do meio deles sairá o que há de reinar; fá-lo-ei aproximar, e ele se chegará a Mim; pois quem de si mesmo ousaria aproximar-se de Mim?”. Aqui, três vezes vemos “aproximar”, “chegar”: (1) “fá-lo-ei aproximar” (וְהִקְרַבְתִּ֖יו – vehiqravtiv); (2) “ele se chegará” (וְנִגַּ֣שׁ – venigash); e (3) “aproximar-se” (לָגֶ֥שֶׁת – lagueshet).

No segundo e no terceiro momento é usado o verbo נָגַשׁ (nagash – “aproximar-se à distancia de UM TOQUE ”). No entanto, no primeiro momento, vemos uma variação de qarav (“aproximar-se”) que, como já visto, também poderia ser traduzido como “sacrificar”. Além disso, no segundo momento, o verbo aparece na terceira pessoa do singular (“ele se chegará”), o que possibilita a tradução de forma impessoal. Deste modo, o versículo ficaria: “[...] Eu o sacrificarei, e então se poderá aproximar de Mim; pois quem de si mesmo ousaria aproximar-se de Mim?”

Diferentemente da realidade de barganha onde “sacrifico” usando DEUS como um amuleto para satisfazer vontades egoístas no momento exato em que as desejo satisfeitas, a Bíblia apresenta um DEUS que está em busca do homem. Algo possível por meio do sacrifício que O aproxima de nós. Afinal, quem de si mesmo ousaria aproximar-se dEle?

by:marcelosafra

domingo, 14 de dezembro de 2014

#3 Retrospectiva - 2014

Oi gente!
Não podemos perder a fé no meio do caminho, mas ela deve permanecer inabalável em DEUS custe o que custar.
Restrospectiva 2014.
Leiam...

“Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de DEUS, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Porém, o homem espiritual julga todas as coisas, mas ele mesmo não é julgado por ninguém. Pois quem conheceu a mente do Senhor, que O possa instruir? Nós, porém, temos a mente de Cristo”. 1 Coríntios 2:14-16
Em 1 Coríntios 2:14-16 Paulo fala sobre ter a mente de Cristo. DEUS nos deu a capacidade de pensar e de nos desenvolvermos, mas além disso, ter a mente de Cristo está relacionado a esconder Suas palavras no coração (Sl 119:11). Devemos pensar biblicamente. “Não que, por nós mesmos, sejamos capazes de pensar alguma coisa, como se partisse de nós; pelo contrário, a nossa suficiência vem de DEUS” (2 Co 3:5). “Porque o Senhor dá a sabedoria, e da Sua boca vem a inteligência e o entendimento” (Pv 2:6).

Um dos piores males da humanidade não está relacionado com orgulho, preconceito, ou até mesmo egoísmo, mas em tornar prescindível o ser humano. Hannah Arendt, enviada à Jerusalém pela revista The New Yorker para relatar a respeito do julgamento de Adolf Eichmann em 1961, afirmou que Eichmann abdicou totalmente da qualidade humana mais singular: a capacidade de pensar. Ligado à facilitação logística da deportação em massa de judeus para guetos e campos de extermínio, ele afirmava que nunca agiu por iniciativa própria, simplesmente seguiu ordens.

De acordo com Zygmunt Bauman, a efetivação do holocausto está relacionada à burocracia moderna. Para ele, a administração burocrática tem poder para anular a capacidade de pensar. Os principais motivos são: (1) meticulosa divisão funcional do trabalho; e (2) substituição da responsabilidade moral pela técnica. Sobre o primeiro, sabe-se que há um risco de alguém, dentro da hierarquia burocrática, dar ordens sem pleno conhecimento dos seus efeitos. O que conhecem é mais bem expresso pelas estatísticas, curvas e diagramas que medem os resultados sem fazer qualquer julgamento, quem dirá moral. Os seres humanos são reduzidos a cifras. 
Sobre o segundo ponto, cada um é responsável por responder ao seu superior primário de departamento. Assim, o mais importante é sua aprovação. A responsabilidade moral, na maioria das vezes, passa longe. Essa responsabilidade técnica ignora que a ação é um meio para atingir algo além dela mesma.
A preguiça de pensar está intrinsecamente relacionada à inutilidade de se fazer julgamentos morais. Não precisamos disto porque temos quem o faça por nós. Ter pontos de vista diferentes não é algo bem vindo, afinal, como num campo de concentração, cada atividade, emoção, ou até opinião, não fazem qualquer sentido.

Quando pensamos biblicamente temos a oportunidade de desfrutar de uma centelha do pensamento divino. Nos distanciamos de tradições humanas e nos apegamos à palavra dEle. O homem natural considera louco o que tem a palavra de DEUS gravada no coração. No entanto, “o temor do Senhor é o princípio do saber, mas os loucos desprezam a sabedoria e o ensino.” (Pv 1:7)

by:marcelosafra

sábado, 13 de dezembro de 2014

#2 Retrospectiva - 2014

Oi gente!
Dando continuidade aos Devocionais de Retrospectiva deste ano de 2014.
Leiam...

“A Bíblia é uma sublime resposta, mas não sabemos mais que pergunta ela responde.” Heschel
O fato da ausência de Jesus, o primeiro tijolo retirado da nossa estrutura teológica cotidiana no post anterior, cria a necessidade da remoção de um segundo tijolo.

O Espírito Santo, assim como Jesus, é objeto de pouca ou nenhuma reflexão válida. É também comum ouvir/falar a respeito do Espírito. 
O Espírito está aqui. 
O Espírito está lá. 
O Espírito está em mim. E nestas afirmações nos tornamos meteorólogos espirituais. Imperceptivelmente manipulamos as ações de um Espírito que é comparado ao vento, sopra onde quer (João 3:8). Embutida em nossas afirmações está a irônica crença que temos controle sobre o que é [sobre]naturalmente incontrolável.
A ausência de Jesus trouxe a presença do Espírito, que, por sua vez, está além do nosso controle. Somente quando nos deparamos com a limitação de nossas afirmações nos encontramos na postura ideal para nos aproximar da realidade proposta nas Escrituras.

A presença direta de Jesus, junto com seu ministério de ensino, foram interrompidos por sua morte. Uma das últimas coisas que Jesus disse a seus discípulos foi: “ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora… mas, quando vier aquele Espírito de verdade, Ele vos guiará em toda a verdade” (João 16:12-13). 
O Espírito aparece para preencher o vazio deixado pela ausência de Jesus. Ao contrário de nossas expectativas ou crenças pouco articuladas Ele não veio para criar uma nova religião mas para ser um ensinador da verdade! Anti-climático para alguns.
O Espírito, como Cristo, veio para expandir nossa compreensão da revelação que começou logo após a saída do Éden. Como Cristo, Ele veio para nos ajudar a entender “começando por Moisés, e por todos os profetas” o que de Cristo se achava nas Escrituras (Lucas 24:27). Consequentemente, o Espírito também veio para nos fazer lembrar das palavras do próprio Cristo (João 14:26).
Mas hoje é muito mais fácil dizer que o Espírito está aqui, lá, em mim, do que enfrentá-lO como ensinador da verdade na revelação da Palavra. As palavras de Buber ajudam neste contexto:
Pessoas hoje resistem às Escrituras, porque elas não conseguem suportar revelação. 

Suportar revelação significa suster a completa crucialidade do momento, responder ao momento, ser responsável por ele. Pessoas hoje resistem às Escrituras, porque elas não são mais responsivas nem responsáveis. Elas alegam fazer muito; mas o único empreendimento verdadeiro, o empreendimento da responsabilidade, elas industrialmente evitam. (Buber, Rosenzweig – Scripture and Translation)
Na ausência de Jesus o que nos resta são o vazio que Ele deixou e um anseio por Revelação!
Na esperança que o vento do Espírito sopre próximo de nós. 
Para que, ao abrirmos a Palavra –em solitude como em comunidade– a experiência seja mais do que meramente rotineira, mas o início de uma transformação. Não podemos mais industrialmente evitar aquilo que essencialmente mais precisamos: Revelação.

by:marcelosafra

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

#1 Retrospectiva - 2014

Oi gente!
o ano de 2014 já se findando, mas vale lembrar que a palavra do nosso DEUS se renova a cada manhã. Por tanto, precisamos guardar em nossos corações o desejo de servi-lO e adorá-lO de todo o coração e em espirito e em verdade.
Leiam...

“A ascensão de Jesus representa minha maior luta de fé…” Yancey
“Fale, Memória.” É assim que começa A Odisséia de Homero. O poema épico que narra a história do guerreiro Odisseu que busca retornar para seu lar em Íthaca após a bantalha de Tróia.

A jornada, porém, leva tempo; décadas, já que é constantemente inviabilizada pelo complexo panteão de deuses gregos e suas crises internas.
Fale, memória.
Deixar a memória falar é um risco.
Quando a memória fala a realidade atual é interpretada pelos seus inúmeros precedentes.
O certo e seguro se torna incerto e inseguro.
A memória tem essa habilidade, de fazer instável o estável, de abalar as estruturas aparentemente sólidas do pensamento negligente da reflexão que ouve sua voz.
O livro de Eclesiastes alude ao potencial da memória: “o que foi é o que há de ser.”
Para entender o que está por vir, é necessário olhar para trás.
Se fazer vulnerável para o que a memória, a filha do passado, tem a dizer, assim…
Fale, memória!

De tudo que a memória pode falar para iluminar nossa jornada, que, diferentemente da jornada de Odisseu, é às vezes impossibilitada por um panteão diferente de deuses, comecemos pelo começo. Comecemos retirando um dos tijolos mais antigos na nossa superficial estrutura teológica cotidiana. Hoje é comum ouvir e falar a respeito de Jesus. Jesus está aqui, Jesus está lá, Jesus está em mim… sendo que uma das verdades bíblicas mais significativas, mais desafiadoras e mais esquecidas atualmente é: Jesus se foi.
Fale, memória?
O livro de Atos afirma que Jesus “foi elevado às alturas” (Atos 1:9) e que voltaria “da mesma forma” (Atos 1:11). Jesus disse antes de sua morte para os fariseus: “para onde eu vou, não podeis vir” (João 8:21), e para os discípulos: “para onde eu vou não podes agora seguir-me” (João 13:36).
A sequência de João 13:36 até João 17 pode ser vista como um agrupamento de orientações sobre como viver sem a presença física ou direta de Jesus.
E com a exceção dos Evangelhos que narram a vida de Jesus, a Bíblia, como um todo, pode ser vista por esta ótica: um manual de como viver na ausência de DEUS, e depois, de Jesus. Desde o primeiro exílio do Jardim (Gênesis 3:23-24) até nosso exílio atual… ausência.
Quando a memória fala, a realidade atual muda. O conforto criado pelo que é dito se torna o desconforto criado pelo que foi dito. Jesus se foi, mas deixou a promessa da vinda de um Consolador: “Eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará outro Consolador” (João 14:16).
A articulação da fé em nossos dias precisa inevitavelmente lidar com este fato: Jesus se foi. E agora?
Fé não é a resposta, mas a pergunta.
Fale, memória.

by:marcelosafra

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

#Precisamos viver o NOVO de Deus!

Oi gente!
Bom demais é falar e viver o AMOR de Deus em nossas vidas.
E porque não flaar daquilo que Deus tem feito em nossa vidas?
Precisamos viver o NOVO de Deus!
Leiam...

Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.
2 Coríntios – 5 – 17

Algumas resoluções típica de um novo ano são: perder peso, fazer mais exercícios físicos, gastar menos tempo no trabalho e mais tempo para a família, quem sabe até parar de conversar no telefone celular quando se está dirigindo.

Não é de se surpreender que queiramos mudar algumas coisas em nossas vidas com as quais estamos infelizes; embora a maioria das resoluções de Ano Novo perdurem não mais do que três semanas.
E se você perguntasse a Deus o que Ele quer que você mude, melhore ou comece neste ano ? Talvez Deus lhe diga:
Demosntre melhor os frutos do Espiríto em sua vida, os quais são: ” (…) caridade, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.” Gálatas 5:22
“Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem (…)” . Mateus 5:44
“Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. ” Marcos 16:15
“Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes; porque ele disse: Não te deixarei, nem te desampararei.” Hebreus 13:5
“E a caridade é esta: que andemos segundo os seus mandamentos. Este é o mandamento, como já desde o princípio ouvistes: que andeis nele.” 2 João 1:6

Como crentes e novas criaturas, podemos ser libertos de velhos padrões e fracassos. Devemos pedir a Deus que nos ajude a viver cada dia no poder do Espírito Santo. Então poderemos deixar as coisas que são antigas e aceitar o que é novo.
2 Corintios 5:17

by:marcelosafra