Seja bem vindo!

●๋•__ Grandes realizações tiveram início com apenas um sonho e era que um dia este sonho se tornaria realidade. Então, vá em frente e acredite! Ouse sonhar!__ °.•

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

#NÃO VOLTE A SER SAULO

Oi gente!
Quem nunca viveu algum tipo de conflito interior?
Pois é, o Apóstolo Paulo também foi alguém, assim como nós, que lutou até o fim para não se deixar levar pelos desejos do velho homem, afim de conservar-se em santidade para o Senhor.
Leiam...

“O que faço não o entendo. Pois o que quero isso não faço, mas o que não quero, isso faço" João 20.24-29.
Romanos 7 .15.

"Miserável homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?".
Romanos 7 .24.

"Dou graças a Deus por Jesus Cristo, o nosso Senhor...".
Romanos 7 .25a.

A palavra conflito é definida como sendo: “Oposição de interesses, sentimentos, ideias. Luta, disputa, desentendimento. Briga, confusão, tumulto, desordem". A Wikipédia diz sobre conflito o seguinte: "O conflito surge quando há a necessidade de escolha entre situações que podem ser consideradas incompatíveis. Todas as situações de conflito são antagônicas e perturbam a ação ou a tomada de decisão por parte da pessoa ou de grupos. Trata-se de um fenômeno subjetivo, muitas vezes inconsciente ou de difícil percepção. As situações de conflito podem ser resultado da concorrência de respostas incompatíveis, ou seja, um choque de motivos, ou informações desencontradas".

Sempre nos deparamos com situações de conflitos em certos momentos de nossa vida. É algo inevitável, haja vista que vivemos em um mundo complexo, em que existem diferentes opiniões e necessidades e, a forma como encaramos estas diferenças gera uma série de conflitos. Portanto, os conflitos fazem parte da natureza humana.


Há vários tipos de conflitos, entretanto, nesta reflexão, tratarei especificamente do conflito interno, ou seja, aquele que se passa em nosso interior. O conflito interno consiste em uma situação de embate, de luta, por uma necessidade de tomada de posição, constituindo-se em batalha que travamos no nosso interior. Vivenciar conflitos internos é uma situação que pode produzir angústia, confusões mentais, aflições, e até mesmo doenças psicossomáticas, como dores musculares, nas articulações, depressão, entre outras tantas enfermidades, quando não conseguimos geri-los de forma adequada.

No texto da meditação de hoje o apóstolo Paulo está narrando a sua própria experiência com os conflitos internos. Ora, cada um de nós está sujeito a ter que enfrenta-los. Não estamos isentos de travar constante luta entre a carne e o espírito. Este conflito interno consiste na batalha que enfrentamos contra o pecado. Nessa luta embora desejemos fazer o que agrada ao coração de Deus, algo dentro de nós, nos impulsiona a atender aos desejos da carne. Paulo disse: "De maneira que agora já não sou eu que faço isso, mas, o pecado que habita em mim. Eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum. Com efeito, o querer está em mim, mas, não consigo realizar o bem. Pois não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse faço." Romanos 7 .17-20.

É importante salientar que, pelo fato de sermos discípulos de Jesus, não nos tornamos totalmente bons, puros e, continuamos, portanto, a enfrentar os conflitos internos. Ser um discípulo de Jesus consiste em ter um comprometimento com ele, um relacionamento pessoal, significa que não só passamos a segui-lo, mas, que especialmente procuramos nos identificar com ele. Ser discípulo de Jesus significa tê-lo no governo de nossa vida, entretanto, quando nos descuidamos e nos distanciamos do nosso Mestre, nos tornamos vulneráveis. Aí reside todo o perigo. Quando resolvemos assumir o governo da nossa vida, passamos a padecer com os conflitos internos, porque assumimos uma posição que não é da nossa competência e sim, do Senhor Jesus Cristo, pois, ele é quem deve nos governar.
Faz-se necessário que estejamos em constante vigilância. São tantas as admoestações contidas na Palavra de Deus para que sejamos vigilantes, como por exemplo: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca." Mateus 26:41 . Também observemos a admoestação de Paulo no seguinte texto: "Aquele, pois, que pensa estar em pé, cuide para que não caia." I Co 10:12. Quando não cuidamos em ser vigilantes, deixamos de estar sob o governo do Senhor Jesus e, nos tornamos uma presa fácil do inimigo, que logo vem com ideias mirabolantes, querendo nos induzir ao erro, à desobediência, nos levando a passar por momentos angustiantes provocados pelos conflitos internos.

Diariamente estamos sujeitos às tentações e, ser tentado não é pecado, mas, quando enfrentamos o conflito interno provocado pelas tentações e, cedemos a elas, caímos em pecado e, nos tornamos escravos dele. Cabe a nós escolher a quem vamos obedecer se ao inimigo com sua insinuante tentação, ou a Deus que nos ama e deseja o melhor para seus filhos. Alguém escreveu: "Você se torna semelhante àquele a quem você obedece". Se nos tornamos servos do pecado, sofreremos frustrações, desilusões, e um endurecimento cínico para com o Evangelho, entretanto, quando somos servos de Cristo, ele diariamente vai moldando a nossa vida e, vamos parecendo mais e mais com ele. 

Existe dentro de nós o conflito, é verdade, entretanto, Jesus não deseja que tenhamos vidas fracassadas. Ele disse: "O ladrão não vem senão para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância." João 10.10. Ele deseja que tenhamos vida completa, farta, de vitória. Quando enfrentamos conflitos internos frequentes, por causa do pecado, algo precisa ser revisto e mudado em nós, em nossas escolhas, em nossa maneira de pensar, de viver, pois, só assim poderemos experimentar essa vida abundante, transbordante, que Jesus tanto almeja para nós.

Vivenciaremos vez por outra enquanto estivermos aqui no mundo, o conflito interno entre a carne e o espírito, mas, a forma como esses conflitos serão conduzidos, vai depender de quem nós estamos alimentando, se é a carne, ou se é o espírito. Provavelmente você já ouviu contar a seguinte história dos dois cães: "Certa feita um discípulo foi procurar um mestre. Ao encontrá-lo o interpelou: Mestre às vezes eu me sinto uma pessoa boa, em paz com o mundo e às vezes me sinto mesquinho e egoísta. Como vou saber qual destas pessoas eu realmente sou? O mestre o encarou com a face plácida e o olhar que continha a sabedoria de anos de meditação e respondeu: Dentro de mim existem dois cães, um bom e um mal. Os dois são idênticos, nasceram juntos, tem a mesma força, sabem as mesmas coisas, enfim, são completamente idênticos. E os dois estão sempre brigando em meu interior, até quando estou dormindo. O discípulo olhou para seu mestre com uma expressão de dúvida. Refletiu um pouco e perguntou: Mas mestre qual destes cães vai vencer a briga? O mestre olhou para o horizonte e com um ar solene respondeu: Aquele que eu alimentar!”

Pode ser que estejamos enfrentando conflitos internos, lutando contra um temperamento agressivo, contra uma impaciência, com desejos desonestos, orgulho, egoísmo, pensamentos maus, etc. O apóstolo Paulo nos ensina como sair desses conflitos internos e, como podemos ser vitoriosos. Quando ele percebeu que por si só não venceria seus conflitos, deu um brado de desespero e disse: "Miserável homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?". Romanos 7 .24. Ele se sentia acorrentado a um cadáver do qual não podia se libertar. O seu desespero logo deu lugar à fé, que produziu em seu coração a certeza da vitória, haja vista que Paulo passou a olhar para Aquele que poderia lhe dar a força para vencer seus terríveis conflitos internos. Então ele disse:"Dou graças a Deus por Jesus Cristo, o nosso Senhor...". Romanos 7 .25a. E no início do Capítulo 8 de Romanos, Paulo diz: "Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas, segundo o Espírito, porque a lei do espírito de vida em Cristo Jesus, livrou-me da lei do pecado e da morte." Romanos 8 . 1-2. 

Reflexão...

Paulo sabia que enquanto vivesse aqui no mundo, seus conflitos internos não terminariam, mas, tinha a certeza de que Jesus Cristo sempre estaria ao seu lado para lhe garantir a vitória. Ele escolheu ter um coração vigilante e obediente ao Senhor, e contava com a direção e orientação do Espírito Santo. Sendo assim, vamos também fazer a escolha certa como nos ensinou o apóstolo, escolhendo alimentar o espírito em lugar da carne e, obedecendo a Deus e não ao pecado, vivendo sob Seu Governo e, procedendo assim, poderemos também cantar o hino da vitória: "Em todas essas coisas, porém, somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou." Romanos 8 .17.
 Amém!
Deus abençoe.

by:marcelosafra

Nenhum comentário:

Postar um comentário